Beterraba ajuda a combater o câncer e hipertensão

A beterraba é uma raiz que possui sabor adocicado e é rica em fibras, carboidratos, fonte de ferro, cobre, magnésio, manganês, cálcio, potássio, nitratos, vitamina A, vitamina C, vitamina E, vitamina K, antioxidantes importantes como carotenoides e licopeno.

O pigmento que dá a beterraba sua cor roxo-avermelhado é a betacianina, e é um poderoso agente de combate ao câncer, principalmente contra câncer de cólon, de acordo com diversos estudos. Os glóbulos sanguíneos absorvem a betacianina e podem aumentar a capacidade de transporte de oxigênio em até 400%. Possui também um fitonutriente chamado proantocianidinas que é anticancerígeno.

As beterrabas são excelentes fontes de vitaminas do complexo B, tais como B1, B2, B5, B6 e B9. Esta última, chamada também de ácido fólico, é importantíssima para a mulher grávida para o desenvolvimento normal da coluna vertebral da criança.

E o suco de beterraba é muito alcalino que o torna eficaz no tratamento da acidose. Beber regularmente o suco pode ajudar a aliviar a constipação.

Essa raiz também é rica em fitoesteróis, que são substâncias vegetais não produzidas pelo organismo humano. A fibra de beterraba vermelha promove a redução do colesterol em 30 a 40%.

Além disso, a beterraba possui nitratos, substâncias que produzem no sangue um tipo um gás conhecido como óxido nítrico, que dilata os vasos sanguíneos e as artérias e reduz a pressão arterial. Por isso, um estudo britânico da Universidade Rainha Mary, em Londres, publicado no jornal Hypertension da American Heart Association, constatou que um copo de 250 militros de suco de beterraba por dia é suficiente para diminuir em 7% a pressão arterial. Ou seja, essa raiz é aliada de quem tem hipertensão.

E o açúcar?

O açúcar da beterraba depois de pronto é quimicamente idêntico do açúcar da cana, cada um com uma composição de 100% sucrose (sacarose). O açúcar de beterraba é utilizado principalmente no norte da Europa, e o açúcar da cana de açúcar é usado pela grande maioria do mundo. Para ter uma distinção entre eles na Europa, é adicionado cerca de 1 a 3% de melaço ao açúcar de cana branco para lhe dar uma cor acastanhada.

Uma pessoa com diabetes deve ter uma alimentação bem balanceada e se estiver com a glicemia controlada pode usar a beterraba crua ou cozida na salada (1 pires dos de chá no máximo por refeição).

Como consumir a beterraba

De acordo com um estudo britânico da Universidade Rainha Mary, em Londres, citado anteriormente, um copo por dia e/ou a ingestão de uma beterraba pequena diária é o suficiente para ter todos os benefícios da beterraba. O ideal é consumi-la crua ou cozida e de preferência com a casca, que conserva melhores os nutrientes.

É muito importante fazer a escolha adequada da beterraba. Prefira com tamanho pequeno e médio pois são mais macias e saborosas. Observe se a casca está lisa e sem manchas ou rachaduras e se tiver folhas, estas devem ser de cores homogêneas e brilhantes, pois seu consumo é recomendado devido ao alto teor de nutrientes.

As beterrabas cruas tem uma substancia importante chamada betaína que, segundo estudos, diminui a substâncias inflamatórias no nosso corpo, auxiliando na redução de diversas doenças e envelhecimento.

Mas a beterraba pode ser consumida em geral nas saladas, sucos, omeletes, cozida no feijão, entre outros.

Beterraba é aliada de quem pratica exercícios

Ingerir suco de beterraba auxilia a aumentar a resistência física e permite que atletas, principalmente em provas de resistência como corrida e ciclismo, consigam exercitar por até 16% de tempo a mais, de acordo com um estudo realizado pela University of Exeter, do reino Unido.

O suco de beterraba contém alto teor de nitrito, que é transformada em nitrato (nitração) e a mesma se modifica para óxido nítrico (NO2). O óxido nítrico, como já foi citado, é responsável de fazer um relaxamento da musculatura da parede dos vasos sanguíneos, resultando em uma vasodilatação e aumento do fluxo de sangue, diminuindo a pressão arterial, aumentando a absorção de nutrientes nos músculos do corpo. Isso resultará em aumento de massa magra, aumento de força (devido maior velocidade da contração da fibra muscular) e uma melhor recuperação muscular após o exercício com um incremento a mais de resistência física.

No pré-treino prefira ingerir o suco (que leva uma beterraba pequena ou média com água) até 60 minutos antes do treino, tempo suficiente para ter o aumento da perfusão sanguínea.

Há também o suco rosa, que é a combinação de laranja com beterraba crua, resultado de um estudo publicado no Journal of Applied Physiology pelo professor Andy Jones. Este estudo demonstra que a mistura melhora em até 10% o desempenho físico, e ainda ajuda na recuperação muscular. A grande vedete deste suco é a beterraba que é uma excelente fonte de óxido nítrico, que promove a dilatação dos vasos sanguíneos, melhorando a absorção de micronutrientes no organismo. A laranja por sua vez, além de ser rica em vitamina C, tem a função de combater os radicais livres que são gerados com os exercícios físicos.

Por que as mulheres engordam mais?

Existe uma diferença na maneira de engordar entre homens e mulheres. A mulher tem mais gordura do que massa muscular, ao contrário dos homens. Na mulher, a gordura se localiza mais nos quadris, culotes e nádegas sendo conhecida como gordura em pêra. . Os homens normalmente possuem mais gordura abdominal, sendo conhecido como formato de maçã. O aumento de peso na região abdominal é mais diretamente associado com doenças cardiovasculares, hipertensão, derrame, infarto, diabetes e acidentes vasculares.
Em uma hora de atividade aeróbica forte contínua, um homem gasta, em média 800 calorias, e uma mulher, cerca de 600 calorias mesmo se tiverem a mesma altura, peso e idade. A testosterona (hormônio masculino) aumenta a massa muscular (que aumenta o metabolismo) e o homem possui mais massa muscular em relação à mulher. A mulher normalmente acumula mais gordura para que os hormônios femininos funcionem melhor, protegendo-a a fertilidade, mas isto tudo leva a uma diminuição do metabolismo.
Só para lembrar: metabolismo é a velocidade em que as células quebram os nutrientes dos alimentos para transformá-los em energia.
O que é a leptina?
É o hormônio da obesidade, sendo descoberto 1994 por Friedman. A leptina (do grego leptos = magro) é uma proteína secretada por adipócitos (células de gorduras) embora também possa ser encontrados (em poucas quantidades) no epitélio intestinal, placenta (funcionando com um fator de crescimento para o feto, por sinalizar o estado nutricional da mãe), leite materno, músculos esqueléticos, gástricos e cérebro.
A leptina age no sistema nervoso central (hipotálamo) promovendo redução de ingestão de alimentos, tendo um papel importante na queima de gordura. Quando engordamos, as células adiposas liberam leptina, que avisa ao cérebro que controle o apetite. A leptina envia uma mensagem para aumentar o metabolismo. Quando queimamos gordura, os níveis de leptina caem e o centro do cérebro responsável pela fome diz: “Coma”
A leptina está aumentada 2 a 3 vezes nas mulheres e principalmente nas obesas.
Durante a puberdade, existe uma diferença entre meninos e meninas quanto aos níveis de leptina. Um estudo realizado com crianças e adolescentes eutróficos mostrou que esta diferença tem início aos 5/6 anos de idade, quando as meninas já apresentam níveis mais elevados de leptina do que os meninos.
Nas meninas, os níveis de leptina aumentaram progressivamente de acordo com a idade, com o ganho de peso e gordura corporal, enquanto que, nos meninos, isso aconteceu até os 10 anos, ocorrendo uma diminuição progressiva após essa idade.
Com a descoberta da leptina, os cientistas, radiantes, imaginaram que haviam afinal achado a solução para quem fazia dieta. Infelizmente a deficiência extrema de leptina é muito rara. E por incrível que pareça, cerca de 85% a 90% dos obesos apresentam níveis mais altos do que o normal.
Resistência a leptina na obesidade
Em seres humanos obesos, quanto maior a quantidade de gordura, maiores os níveis de leptina circulantes.  Esse achado é paradoxal, já que níveis elevados de leptina deveriam diminuir o apetite e aumentar a queima de calorias. Sugere-se que, possivelmente, os indivíduos obesos apresentem resistência a leptina.
Estudos recentes demonstram que a leptina tenha dificuldade de alcançar o cérebro. Quando uma pessoa aumenta de peso, os níveis de triglicérides sobem, o que pode impedir a leptina de chegar ao cérebro, fazendo que a pessoa sinta fome, comendo mais irá acumular ainda mais gordura. Então os triglicérides bloqueiam a leptina.
Uma pessoa que apresenta resistência a leptina precisa de mais leptina para conter o apetite. Mas, quando as células de gorduras murcham, caem os níveis do hormônio. Essa queda provoca acessos de fome e torna mais lento o metabolismo. O cérebro reage como se estivesse diante de uma escassez de alimentos, economizando energia e compelindo-nos a comer, comer e comer. A cada quilo de gordura que se vai, fica mais difícil perder peso e assim se manter.
Termogênese
A termogênese é a energia gasta durante e logo após a alimentação, isto é: é o processo induzido por alimentos pelo qual o organismo transforma o excesso de calorias em calor, em vez de gordura. Representa 15 % dos gastos calóricos.
A termogênese é estudada desde a década de 60, mas só agora pesquisadores estão descobrindo como ele funciona. Ela é controlada pelo sistema nervoso simpático, ou adrenérgico, sendo um processo fisiológico normal, como a digestão.
A pessoa que tiver a termogênese diminuída tende a engordar. No nosso cérebro, temos um vigia atento, o hipotálamo, uma glândula que monitora a quantidade de calorias ingeridas. O hipotálamo é como se fosse um “inspetor” de calorias “. Quando elas surgem em número superior ao necessário, o hipotálamo envia um recado para que o excesso seja queimado. Se esse processo de termogênese funciona bem, você pode comer o quanto quiser sem engordar porque, em vez de gordura, seu corpo produzirá calor. Quando a termogênese não é ativada, a energia fica armazenada sob a forma de gordura.
Três fenômenos podem acontecer às calorias derivadas dos alimentos ingeridos;
1) elas podem ser usadas para satisfazer as necessidades de energia do corpo;
2) elas podem ser armazenadas como gordura branca; 
3) elas podem ser queimadas por células especiais do corpo conhecidas como Tecido Gorduroso Marrom, ou BAT (Brown Adipose Tissue).
Este último processo é chamado termogênese e significa geração de calor. A termogênese é um processo fisiológico normal, como a digestão. O propósito do BAT é queimar as calorias que o corpo não precisa. Tornar-se obeso, acontece principalmente quando o BAT não está trabalhando adequadamente e o corpo tem que armazenar o excesso de calorias como gordura.
Foi a descoberta de pequenas moléculas nas células de BAT conhecidas como proteínas desacopladoras (UCP). As UCP desacoplam a cadeia de eventos bioquímicos que, em outras células, são usados para transformar as calorias em energia para satisfazer as suas necessidades. Enquanto a quantidade de energia que uma célula normal pode usar é limitada, em grande extensão, pela energia atual que ela precisa, as células de BAT, devido à presença das proteínas desacopladoras, continuam convertendo calorias em calor na medida em que elas continuam sendo estimulados, e na medida em que o corpo tenha gordura branca para alimentar o sistema.
O aquecimento proveniente do metabolismo do BAT é simplesmente perdido; conforme o calor é gerado, irradia-se para fora do BAT, para os tecidos circunvizinhos. Como o fluxo de sangue pelo BAT é muito extenso, o calor é recolhido pelo sangue e rapidamente é levado para fora e dissipado em locais distantes do BAT.
A Pesquisa também demonstrou que, com o passar do tempo e sob o estímulo certo, aumenta a capacidade de queimar calorias. A estimulação do BAT aumenta a quantidade de proteínas desacopladoras e aumenta também o número de células de BAT; isto resulta em um aumento dramático na quantidade de calorias em excesso que podem ser queimadas e postas fora como calor pela termogênese. O aumento da termogênese estimula a produção de mais BAT e UCP, e o ciclo continua.
O pesquisador pioneiro da termogênese e das causas genéticas da obesidade, Arne Astrup da Universidade de Copenhague na Dinamarca, escreveu,: Em várias síndromes de obesidade em roedores a mediação simpatomimética (da termogênese) está defeituosa, e isto conduz a sensibilidade extrema ao frio e à obesidade … da mesma forma, a hipótese avançada de que uma termogênese diminuída no BAT pode ser a causa de alguns tipos de obesidade humana”.
 

Low Carb

 
Plano alimentar segmentado que leva a pessoa a consumir uma taxa máxima de carboidratos de 20% e carne a vontade, de forma que, seja possível usufruir dos seus nutrientes e benefícios e ao mesmo tempo diminuir o percentual de gordura.

Aeróbico

Os exercícios aeróbicos proporcionam energia através do oxigênio, trabalhando os grupos musculares de forma que, seja possível melhorar a respiração, o condicionamento físico e ganhar massa muscular. Esses são os grandes aliados daqueles que desejam eliminar gordura corporal.
 
 
 
 

Os Antioxidantes no combate do envelhecimento e prevenção do câncer

Sempre um dos maiores questionamentos em relação aos alimentos saudáveis é o sabor, muitas pessoas sentem dificuldade com a reeducação alimentar por este motivo e acabam se perdendo na dieta. Porém, com os alimentos ricos em antioxidantes com certeza você não terá este problema, além de saborosos e super nutritivos, eles podem ajudar no combate de células oxidativas que provocam o envelhecimento precoce e também o câncer.
Frutas vermelhas, chocolate amargo, vinho tinto, linhaça e o abacaxi, são estes alimentos ricos em diversos nutrientes e entre eles os antioxidantes. Como o próprio nome já diz, eles são capazes de impedir a ação oxidativa em nossas células saudáveis provocadas pelos radicais livres, moléculas instáveis dentro do organismo humano. Essa instabilidade faz com que elas busquem se unir a outras moléculas saudáveis, sendo estas estáveis. Porém, quando acontece essa união ambas se tornam radicais livres, aumentando assim cada vez mais e mais.
O envelhecimento precoce do corpo e das células, como também o câncer e diversas outras doenças, são provocados pela ação dos radicais livres. Mas lembrando que, não basta manter uma alimentação balanceada e rica em antioxidantes, também é necessário evitar o consumo de alimentos que contém gordura hidrogenada, conservantes e também o açúcar. Em casos de dúvidas, consulte sempre seu médico!